quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Selado de Theros – Impressões do Pre-release 2

Olá pessoal,

Como comentei no post anterior, no pre-release da tarde eu optei por usar um kit preto. O conjunto de raras veio bem forte no preto, dando a oportunidade de jogar novamente com Arco de Niléia ou optar por branco ou azul como segunda cor ou splash.


Acabei optando pelo BG pois novamente eu havia tirado uma pool ruim nas remoções. O toque mortífero que o arco oferece para as criaturas seria (e foi...) minha salvação! Ainda mais que agora eu teria também o Chicote de Érebo, garantindo a recuperação da vida perdida e oferecendo uma segunda chance às minhas criaturas...

Tirando alguma falha de memória, o deck ficou assim:


Não há muito o que se discutir, Érebo e seu chicote foram as 2 cartas do deck. Érebo te dá draw por um pequeno custo de vida, enquanto o Chicote de Érebo te recupera a vida perdida. O foco desse deck foi propositadamente maior na cor preta, favorecendo a devoção do Érebo e mais 4 cards (2 Saqueador de Mogis, 1 Mercador Cinzento de Asfódelos e 1 Discípulo de Fenax).

Também procurei utilizar o maior número de criaturas disponíveis que desencadeassem habilidades ao entrar na mesa, pois teria o chicote para utilizar essas habilidades 2 vezes (além da Marcha dos Ressurgidos). Foi assim em alguns jogos, trazendo pela segunda vez um Saqueador para dar o ataque final, ou um Mercador para matar quando o ataque não seria possível. O Discípulo tirou vários bons cards da mão do adversário, enquanto Centauro Ressurgido tombava o topo.

Catoblepas Repugnante entrou no deck devido à falta de remoções. Pouco funcionou efetivamente como remoção, mas sempre gerava no adversário a necessidade de fazer contas antes de cada ataque, evitando perder 2 criaturas por 1.

Beijo da Víbora lembra uma remoção se olhada de longe sob determinado ângulo iluminada à luz do luar. Mas ela não entrou para o deck por conta desse romantismo todo e, sim, como uma forma de travar as monstruosidades alheias e outras habilidades. Cheguei a utilizá-la 3 vezes num mesmo game, graças ao nosso amigo Reparador de Fábrica, uma das cartas que eu mais torcia por tirar a cada compra.

Como se vê, a interação nesse deck entre os cards foi bem maior do que a pool montada pela manhã. Essa "soma de forças" me ajudou a enfrentar decks teoricamente mais fortes de igual para igual (ou quase) e rendeu um 2-1-1 ao final, trazendo mais alguns boosters para casa.

Finalizando os eventos, tenho certeza que verei em vários commanders:
- Érebos (e os outros deuses)
- Medomai, o Atemporal
- Queda do Herói
- Ginete Cinzento
- Chicote de Érebos (e as outras armas)
- Profeta de Crufix
- Leia os Ossos

E aposto em acharemos em alguns esses também:
- Cervo Brunido
- Uivador Noturno (e outras criaturas encantamentos)
- Sandálias de Pena-veloz
- algumas Provações (em especial a azul e verde)
- Kraken Esmagador de Navios (e outros monstruosos)

 E você, em quais cards aposta?

Até mais!!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Selado de Theros – Impressões do Pre-release 1



Olá pessoal,

Depois de um bom tempo sem escrever, esse último pre-release me motivou a voltar. Posso dizer que Theros me surpreendeu positivamente em muitos aspectos e que minha expectativa para as duas partes restantes do bloco é a melhor possível.

Gostei dos deuses criados e de vários ciclos dentro da edição. As criaturas encantamentos foram bem melhores do que eu imaginava e temos várias aquisições para os diversos formatos de Magic, inclusive os casuais (commander, pauper e afins) onde tenho me concentrado mais nos últimos tempos.

Não sei se foi um "fenômeno localizado", mas muita gente saiu com pools fortes, bem focadas em 2 ou 3 cores. Também houve vários casos onde a pool pagou as inscrições com sobra (por exemplo saindo Elspeth, Xenagos, deus branco e arma branca pra mesma pessoa).

De manhã eu abri um kit verde (obrigado, Pezão!!) que veio assim:


Sabendo que eu não iria jogar de branco ou vermelho, tendo em vista as raras dos boosters, optei por deixar o deck UG e fiquei com essa formação (aproximadamente, pelo que eu me lembro):


Não tirei muitas remoções, então escolhi tentar crescer os meus bichos mais do que o adversário para tirá-los no corpo-a-corpo. Para isso eu tinha 4 frentes: monstruosidade, provações, criaturas encantamentos e o Arco de Niléia.

Para garantir que o dano fosse passar pela defesa do adversário, vieram: alguns voadores, inbloqueáveis e uma hidra com proteção ao azul. Também guardei alguns bounces para os perigos mais letais.

A parte "ruim" das provações é que elas demoram muito a fazer o seu efeito (draw, buscar land, dano, descarte ou ganhar vida), normalmente 3 ou mais turnos para se colocar os marcadores. Procurei abreviar isso com a ajuda do Arco de Niléia, abreviando em 1 turno o efeito.

Buscar terrenos com a Provação de Niléia ou com o Cervo Brunido me dava a possibilidade de ativar as minhas monstruosidades antes dos oponentes, além de também conseguir jogar as criaturas encantamentos agraciando as outras.

Poucas vezes eu consegui ativar a monstruosidade do Kraken Esmagador de Navios. Não por causa do seu custo e, sim, porque ela veio poucas vezes na minha mão. Mas seu efeito é devastador caso não haja remoção do outro lado da mesa, praticamente GG. Não devemos ver esse card no Standard/Modern, mas com certeza será incluída em várias listas de commanders, onde seu custo alto não será um problema.

Entre a Hidra Talha-Bruma e o Caçador Reverente, o segundo foi normalmente mais forte nos jogos em que participei. Embora a hidra tenha proteção E ímpeto, o caçador só dependia de um pouco de devoção para entrar grande na mesa. Isso deve se inverter no formato construído, onde as qualidades da hidra poderão ser melhores utilizadas.

Quimera do Horizonte é uma máquina em formatos limitados. Ainda mais por ter tirado 3 cópias dessa belezinha, toda hora ela estava presente na mesa, batendo com seu voar e me dando preciosos pontos extras de vida. Só na primeira rodada é que elas não jogaram tanto, pois encontraram com um Érebo do oponente logo no começo dos 2 games (terminamos empatados).

O Arco de Niléia foi um show a parte. Sozinho ele transformava todas as minhas criaturas em remoções no combate (toque mortífero), aumentava o poder/resistência, recuperava aquela vida perdida no começo do jogo e removia mosquitos alheios (várias vezes as Sandálias de Pena-veloz adversárias ficavam sem uso).

Mas a carta do deck foi Profeta de Crufix. Desvirar terrenos E criaturas todos os turnos E baixar criaturas como se tivessem lampejo é demais para uma carta em formato limitado. Se o oponente não consegue tirá-la em 2 turnos a diferença na mesa já fica muito grande... Não me lembro de ter perdido nenhum dos jogos onde ela participou. Ela já saiu desse deck do pre-release para o meu commander de Rafiq.

Por fim, para comprovar que não foram só os kits que vieram bons, confira a premiação que eu alcancei pelo primeiro lugar em meu grupo na manhã:


Essas foram algumas das minhas impressões, que resolvi compartilhar com vocês.

Vou preparar um outro texto sobre o pre-release da tarde, onde joguei com o kit preto.

Até mais!!

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Notícias do Front #1: Controls no topo e "Vegas, baby" !


Olá, tudo bem ?

Já faz um tempo que escrevo sobre magic. Por diversos motivos, os textos com característica de notícia de grandes eventos são o tipo que mais escrevo, e a partir de hoje eu vou, por assim dizer, “oficializar esse formato”, não só para diferencia-los mais claramente de outros tipos de texto que escrevo, mas também para padroniza-los, logo, sempre que tivermos um fim-de-semana com eventos competitivos, pretendo postar na segunda-feira  um pequeno resumo, além de alguns destaques. Esse é o “Notícias do Front”.

Nesse fim-de-semana tivemos o tradicional StarCity Open, dessa vez na Philadelphia, e o maior evento do magic até hoje, o Grand Prix Las Vegas. Começando pelo Open:

O T2 continua um formato diverso, e com certeza manterá essa característica até M14, os decks do Open são um bom exemplo, no top16 temos 11 tipos de decks diferentes,  divididos entre agroo, control e midrange, fora vários decks que usam o “combo” de Boros Reckoner e Ato Blasfemo. O resultado disso é um revezamento entre os decks ganhadores, inclusive com uma rotação dos arquétipos dominantes, em algumas semanas os super agroos dominam, em outra os midranges, então os controles, e assim por diante. 

Outra coisa é que todo deck quer ser o mais injusto possível, por isso baralhos usando uma storm de Emissários, ou Reckoner e Ato, ou efeitos de sacrifício com High Priest, ou várias criaturas com hexproof com muitas auras, ou uma criatura gigante no turno 3, tudo isso é resultado de você simplesmente não saber o que enfrentar, logo pensa “não sei para aonde apontar, logo, vou jogar com um baralho que tenha uma jogada mortal para a maioria dos adversários, mesmo que isso me de algumas desvantagens”. Decks control costuma ter desvantagens nesse ambiente, porque é difícil achar “O Um para todos governar”, ou seja, a lista certa que te deixa pelo menos 50/50 contra qualquer deck do ambiente. Mas, estamos na semana boa para os controles, e o ganhador do SCG foi Robert Seder com a seguinte lista:

































Clássica lista de “super friends”, ou seja, que usa vários planeswalkers para controlar a mesa.  É interessante a escolha das remoções, far/away e azorius charm, ao contrário de outras listas, Robert Seder não tenta cartas condicionais como Tragic Slip e Preço Final, ele quer ter certeza que não terá uma carta morta, ou que seja possível remover a carta que o está incomodando. A ausência de Veredito também é notável, grande parte dos agroos atuais sabem lidar com ele, existe uma quantidade imensa quantidade de criaturas que  você pode fazer e torcer por um Veredito, que ao invés de salvar a mesa para o control vira um Time Walk para o agroo. Terminus é o sweeper do momento, é a carta que pode responder a praticamente tudo, um Terminus milagrado no seu turno três, deixando duas manas de back up para counter ou remoção é o sonho para controlar a mesa adversária, porque na volta é fácil encaixar um planeswalker e ganhar o jogo.  

O único Cyclonic Rift é a resposta para alguma permanente que tenha passado pelos counters, ou não seja removida pelo Anjo ou pelo Snap (caso de planeswlakers).

A escolha de criaturas também foi tradicional, Snapcaster para aumentar a potência das suas mágicas e Anjo da Restauração porque potencializa seu Snap e ataca e bloqueia muito bem.

No side, a comum coleção de 1-offs em controles, várias cartas condicionais que vão muito bem em matchs específicos.

O grande problema desse baralho é que ele é horrível contra um super agroo, você pouco interage com uma mesa cheia nos primeiros turnos, o máximo que pode fazer é tentar atrasa-lo com charms e torcer por um terminus. Como eu disse anteriormente, temos “semanas temáticas” no T2, essa era a boa para um deck assim, que é muito bom contra midrange, mas semana que vem pode ser um péssimo deck.

Em 3º lugar ficou Meru Bhanot, de 4 Color Rites:
































Primeiramente, esse deck não é novo, foi criado pelo Adam Prosak, conhecido jogador norte-americano e começou a aparecer forte no MOL, fez inclusive aparições em top8s de PTQs e WMCQs brasucas. É um Junk Reanimator que abre mão dos pilgrims, slimes e etc para focar apenas na idéia de reanimar. Claro que isso é bom no sentido que você quase sempre turno 4 ou 5 tem uma bomba na mesa, mas abre o problema que contra algum deck que possa se aproveitar de você não interagir com a  mesa nos primeiros turnos isso é um suicídio, pensando nisso o baralho usa Souls e Reckoner, e o apelo desse último explica a adição dos combos com Harvest Pyre(já que você tomba muita coisa) e Ato Blasfemo (que também traz o efeito cólera).

Tem algumas coisas que não gosto nessa lista, Abrupt me parece muito ruim em um deck com Grizly e Mulch, e Ato não me agrada também, dependendo do quanto seu oponente enche a mesa, você perde antes de fazer Ato, tanto que prefiro Rolling Temblor de main, que além da sinergia com Reckoner, entra mais rápido e ajuda muito contra agroos.

Uma carta que me chamou muita atenção foi Boros Battleshaper, é bem diferente e realmente não sei o quão bom é atualmente, em alguns casos vai servir como removal, em outros você simplesmente adoraria algo mais concreto, mas ainda sim, nice tech.

O último deck que destaco é o 6º colocado, pilotado por David Kilmartin, o BG Midrange, ou “The Rock”:




























Mais uma lista que não é nova, começou se destacando no MOL e então nos torneios off-line. Imagino que o que tenha feito um jund abrir mão de uma cor seja Victim of the Night, Mutilate e Sign in Blood, são cartas muito boas no ambiente atual e quase que” injogáveis” em um deck que não tenha uma base mono black, na verdade, Mutilate acho que é o grande responsável, quase tudo que foge bem de Veredito morre para efeitos de menos/menos então é uma carta muito tentadora, e partir do momento que você pensa em um baralho baseado nela veem Victin, Sign e Geralf(contra controls), a adição de verde serve para esse deck realmente jogar, não apenas pelas remoções a mais, mas por Thragtusk, esse cara já definiu o T2 e é absurdo em vários match, e hey, já que você vai usar Tusk e Geralf, porque não ter um kill efetivo, como Desecretion Demon e uma Revelation, no caso, Discipule of Bolas. E voila, temos BG.

Nessa lista em especial, os 2 Cremates de main mostram um baita medo do match contra reanimator (justificável, já que o baralho perdeu para um no top8) e Cremate é um hate interessante, porque contra decks onde ele seria morto serve de cycle.

Não é o melhor deck do ambiente, mas está bem posicionado por interagir contra Aristocratas e ter um match justo contra alguns midranges e tirando as Lilianas, é bem barato. Pelo menos de curiosidade, eu sugiro testar.  

E Agora ?

Como dito anteriormente, temos épocas para cada deck, é um belo ambiente “pedra-papel-e-tesoura” e aparentemente ele não irá mudar até M14, para qualquer um que queira vencer agora, ou tente se posicionar bem, acertando o deck certo para a época certa, ou prepare seu “melhor tiro”, um bom baralho e um bom treino podem fazer muita coisa nessa selva.





O Grand Prix Las Vegas foi o maior evento de um TCG de todos os eventos. É, conviva com isso, 4500 jogadores. Para você ter uma ideia, no Brasil temos uma média de 100 jogadores por ptq, seriam 45 ptqs tupiniquins. A grande pergunta é, por quê? Como conseguiram praticamente dobrar o número de jogadores de um GP?,

A Wizards nunca fez tanta publicidade para um evento aberto, todas as suas páginas tinham links e propagandas desse GP, era algo no nível que ela faz para o Pro Tour, coma diferença que o Pro Tour é fechado, então você está apenas atraindo telespectadores, agora vocês está atraindo “inscrições”, inscrições essas que podiam ser feitas online e previamente, uma novidade que contribuiu para dias antes já preverem ser o maior evento de todos os tempos.

Toda a propaganda de Modern Masters era propaganda do GP, e a Wizards fez muito disso, seja colocando cartas cobiçadas pelos jogadores, Goyf e Bob, seja exaltando o quão interessante era a edição com uma enxurrada de artigos em sua página, inclusive falando dos arquétipos da edição para drafts e selados.

Disponibilizar Modern Masters no MOL previamente foi outra estratégia, com isso, todo jogador podia treinar ao máximo essa edição antes do GP. Mas você acha caro 25 dólares pelo draft? Sem problema, eles disponibilizaram Phantom Draft da edição, agora você podia gastar apenas 6 dólares e treinar muito.

Em resumo, a WotC fez de tudo para que cada jogador que soubesse um mínimo sobre magic quisesse estar em Vegas, que quisesse comprar uma box dessa edição e draftar (tanto que colocou 24 boosters na caixa, o que abaixa seu preço e a deixa tentadoramente draftavel). Ela pegou na mão dos jogadores e levou até esse GP.

“Ok Wizards, fui jogar, legal, gostei, mas o que você queria com isso ?”

Ela queria você no Modern, porque ela quer um formato Eternal que não esteja estragado pela Reserved List, por isso tantos incentivos ao formato. Transformar em formato de PTQ e de Pro Tour obriga o jogador mais competitivo a jogar, e a sucessão de reprints ataca o preço elevado das cartas, se reprints como Thougzeise e Mutavault forem confirmados, temos mais um sinal que o formato é a “menina-do-olhos” da Wizards, ou você acha que bans como o de Second Sunrise com a justificativa de que “é ruim de assistir...” são comuns a qualquer formato ?

Com tudo isso, só resta ao jogador aproveitar, é a época para fechar os sets de shocks e Staples de um formato tão querido pela poderosa do jogo. E a boa é draftar MM porque querendo ou não, é uma edição divertidíssima.


Até a próxima,

Rudá Andrade dos Reis


domingo, 5 de maio de 2013

Analisando Dragon's Maze - Parte 2


Olá, tudo bem ?

Vamos à parte 2 de 3 da minha análise de Dragon’s Maze e seu impacto no T2, na primeira abordei as cinco cores e destaquei apenas sete cartas, o que não quer dizer que a edição seja ruim, é uma edição pequena e como dita o bloco de Ravnica, tem sua maior força nas cartas multicoloridas.




AZORIUS


Conselho do Absoluto



UW e um hate para mágicas, sendo que diminui as suas, a carta escreve Revelação da Esfinge na testa e já chama um lugar para si no side de vários UWx decks.

Pensando ele como uma carta exclusiva de decks controls (contra decks controls), 2/4 e sem qualquer proteção o faz alvo fácil de mizzium mortars e azorius charm, apesar de que várias remoções costumam sair no mirror do pessoal do “mana-vai, mana-vai, mana-vai...”, logo, ele basicamente fica na mesa, ás vezes parado, apenas para que seu efeito te leve a vitória. É interessante pensar que ele entra na curva do Anjo da Restauração, e assim como o anjo, não precisa necessariamente entrar no turno quatro.

Não pensaria duas vezes antes de uma caverna para o Conselho entrar e abrir meu caminho para a vitória, seja com uma Revelação mais barata, ou mesmo um Assemble the Legion ou algum Planeswalker.


Lavínia do Décimo



Cara, que saudade de uma criatura com proteção contra o vermelho, apesar de que por  cinco manas, ela não realmente para um rdw. Na melhor das hipóteses você faz ela, parando seu oponente, na volta ataca e faz anjo e já ganhou precioso dois turnos. Mas mesmo assim a proteção é relevante, não ser removida por bonfire, Mizzium, ou segurar numa boa um Reckoner, só pode ser bom.

Poder parar permanente também é legal, você pode travar uma Liliana que removeria sua criatura, ou um Domri.

É uma criatura de side, mas ainda não imagino exatamente em quais matchs, contra jund, apesar de fugir de alguma remoções e parar alguma coisa, ela não para tusk e Putrify é uma realidade. Do Naya, ela para o Loxodonte, que é uma criatura bem irritante para os UWs decks (RÁ! Mas agora tem Renunciar as Guildas, RÁ!). Ela teria aplicação contra decks agressivos, apesar de que quinto turno é muito tarde e ela não te faz realmente selar o jogo, como um Thragtusk.


Silenciar



Assim como Counterflux é um bom e um mal conter, Silenciar tem situações onde você ama a carta, mas também situações onde você queria outra coisa. Por exemplo, em uma counterwar você gostaria de um dispel, um counterflux, mas não um dissipate piorado, mas, eu gosto da habilidade do Silenciar de fazer seu oponente pensar um pouco melhor sobre jogar uma mágica para atrair um conter e responder com algo melhor.

A princípio, pior que counterflux, mas chama atenção.


ORZHOV


Barão Sangrento de Vizkopa



Quando se é cinco manas e 4/4, proteção contra o branco e contra o preto são as proteções mais relevantes contra quase todas as remoções do formato, não É a proteção mais incrível no combate, mas com certeza se for cuidadoso, o oponente terá muito trabalho para tirar isso da mesa. O lifelink, somado a habilidade que pode fazer um clock, fazem do Barão uma ótima carta, talvez com lugar no Aristocratas , ou em um Junk(tusks mil alimentando o Barão).  Existe também a opção de ser finisher em um esper, mas essa é a que menos me agrada, por esse custo eu prefiro Obzedat.


Auxílio de Obzedat



Ok, eu não sou tão fã disso, ao menos que você use, Faithless Looting, Liliana, Grizly  Savage, ou algum outro jeito mirabolante para descartar permanentes de custo absurdo e que sejam relevantes na mesa (Omniscience!) , eu acho que não aproveitará muito a carta.

Mas...eu sei, você sabe, e meio mundo sabe que terão malucos tentando fazer isso jogar, então é bom ficar de olho, porque é uma carta com muito poder.


Coletor de Pecados e Sugador de Dízimo




Coletor é uma versão nova de Tidehollow,o problema é só tirar instant e feitiço, o que leva ela para o grupo das cartas control vs control, já que temos poucos combos, nesse cenário é uma boa carta, o turno três desses matchs não é muito movimentado então algo que tenha alguma presença de mesa(apesar de que para em um Augur do outro lado) e que possa tirar uma mágica relevante (para mirrors, quase tudo) me agrada muito e entraria com uns slots no side para esse carinha.

Sugador é uma carta no mínimo engraçada, não sei se para o Aristocratas é uma carta interessante, mas talvez seja legal para algum BW agroo ou BW Zombies, lifelink o faz bom contra agroo e exort é um inferno no late game.


DIMIR


Ladrão de Noção



Comprar cartas com certeza é uma das grandes vantagens quando dois baralhos de controle se enfrentam, e o Ladrão de Noção entra exatamente nesse ponto, podendo minar a vantagem de compras do seu oponente, inclusive ajudando na sua. Ok, então a carta é incrível, tem que usar e boa ? Não.

O ambiente ser predominantemente agroo não ajuda nosso amigo a jogar muito, e nos matchs onde ele vê jogo, tem o problema de só o efeito dele ser interessante, já que 3/1 por quatro manas é bem fácil de tirar na mesa e na maioria das vezes vai ficar parado, contando que seu efeito te leve a vitória.


Ceifar Intelecto



Mais uma da coleção “side contra control”, você simplesmente precisa acertar um desses no seu oponente e pronto, suas chances de ganhar aumentaram drasticamente, seja contra controls, seja contra combos, simplesmente limpar um número X de  cartas do grimório do oponente, é muito bom.


Físico Distorcido



Um ótimo removal para o esper, podendo inclusive remover uma carta como Falkenrath. Talvez seja o removal que falta para o esper dar uma alavancada no T2. Com shocks e tap lands, não imagino o custo sendo um problema.


IZZET


Dragomorfose



Um bom finisher, é bem fácil imaginar algum UWr usando isso, principalmente se o jogador alterar algumas coisas na lista padrão do deck, adicionando, por exemplo, moorland haunt e midnight haunting ao deck, para aumentar o número de criaturas no deck, com isso, é possível fazer um kill mais rápido do oponente, ao ´invés de pequenos ataques, que deixam a possibilidade de algum thragtusk trazer seu oponente de volta. Usaria 1-off também, porque é para uma situação bem específica, ao menos que o deck seja montado exclusivamente em volta da carta, por exemplo :

4 Goblin Eletromancer
4 Augur of Bolas
2 Snapcaster Mage
4 Krenkos Command
4 Lingering Souls
3 Dragonmorfose
4 Midnight Haunting
4 Izzet Charm
2 Burning Shake
4 Battle Hynm
2 Gather the Townsfolks

No caso, com o combo de Burning Shake e também com Dragonmorfose para matar, podendo usar, porque não, Virtude Intangível  para potencializar suas fichas.

Bom, fica a ideia.


RAKDOS


Exava, Bruxa Sanguinária Rakdos



4/4 com iniciativa é muita coisa, ela praticamente vai matar uma criatura do oponente por turno, imaginando ela no topo de algum deck agroo. A habilidade de dar ímpeto para outras criaturas com marcador também é muito boa pois te coloca em constante postura ofensiva durante a partida, o que só pode ser bom para vermelho e preto.

Infelizmente é bem provável que ela não veja muito jogo fora do bloco ou antes da rotação por tentar ocupar um espaço que já é do Hellrider e da Falkenrath, que atualente são opções muito melhores, mas depois de outubro, é uma carta para se manter os olhos.


Senhor da Insanidade



Pra mim, é facilmente uma das melhores cartas da edição, Senhor da Insanidade te da uma vantagem que eu considero até perigosa, que é a de ganhar o jogo quase que instantaneamente, você tem uma mesa melhor, faz ele, seu oponente não tem resposta e...top deck mode para ambos, o que obviamente é muito melhor para quem tem a melhor mesa. Simples assim, ele resolve seu jogo.

Junds da vida tem no Senhor da Insanidade a resposta para Sphinx Revelation, não adianta quantas cartas seu oponente vai comprar, no final, sua mesa é melhor e não da para mudar isso. Fora que uma caverna para demônio garante que a bomba entre de qualquer jeito.
Excelente carta.


Bufão do Espículo



Boa carta para o Jund Agroo, só com o porém de ser anti-sinérgico com o Emissário, não que ambos não joguem juntos, mas é sempre chato você começar sua “storm” de Emissários e ter uma carta que não pode ser jogada nesse mesmo turno. No BR Zombies, o único problema é que seria necessário um aumento das fontes vermelhas, provavelmente com o uso de portões.

A resistência 1 dele também é um empecilho, porque na maioria da vezes você irá troca-lo com alguma criatura do oponente (e trocar com um arbor elf é bem frustrante), nesse caso, usa-lo contra decks com poucas criaturas te da mais chances de dar um “raio” por turno.


Essa foi a parte 2, em breve a última parte, onde analiso as últimas guildas e as splitcards.


Até mais,


Rudá Andrade